Fluxo de caixa eficiente

Organização financeira é um fator essencial para qualquer empresa se desenvolver de forma sólida. Pensando nisso, o primeiro passo para se ter um controle financeiro é um fluxo de caixa estruturado.

Enquanto o negócio ainda é muito inicial, sem grandes complexidades em relação a custos e despesas, é muito comum empreendedores se utilizarem de um controle superficial, sem algo mais robusto que possa controlar as finanças de sua empresa.

Mas a medida que a empresa cresce e sua estrutura se torna mais complexa, torna-se essencial compreender no fluxo de caixa todos os recebíveis (vendas à vista e a prazo, duplicaras, cartões, etc.) e a contar pagar (fornecedores, salários de funcionários, custos fixos, etc.).

Assim, nota-se que o fluxo de caixa é uma ferramenta essencial para o empresário ter uma visão geral, tanto do presente quanto do futuro, das finanças básicas de seu negócio. Ele serve tanto para alertar sobre possíveis situações emergenciais quanto à saúde financeira da companhia, quanto para um viés mais estratégico, abrindo sua visão para decisões como corte de despesas, planejamento de empréstimos, realizações de promoções e até investimentos mais robustos para o longo prazo. Isso permite que haja uma diminuição significativa no processo de tomada de decisão com um viés mais estratégico por parte do empreendedor

“… o fluxo de caixa é uma ferramenta essencial para o empresário ter uma visão geral, tanto do presente quanto do futuro, das finanças básicas de seu negócio”

Como fazer um fluxo de caixa simples e eficiente

Apesar de todas as vantagens que esse tipo de controle financeiro traz, ele possui uma complexidade baixíssima de execução, sendo necessário apenas uma habilidade mínima de conhecimentos de finanças.

O resultado obtido por um fluxo de caixa pode resumir-se no saldo disponível efetivamente para serem utilizados, ou o saldo deficitário que a empresa se encontra. Sua execução inicia-se com o lançamento do “contas a receber” e “contas a pagar”, já projetando os custos fixos mensais baseado em suas datas de vencimento.

Com base nisso, pode-se obter uma visão bastante realista do cenário atual da empresa e uma boa previsão de suas despesas de curto prazo. A fim de tentar ter uma visão mais clara de como as finanças irão se comportar no futuro, pode-se também estimar receitas futuras da empresa, baseada em seu crescimento de mercado e na sazonalidade de suas vendas.

Isso permitirá ao empresário ter uma visão mais assertiva acerca de futuras estratégias, por exemplo, investimentos para o crescimento da empresa e a destinação de seu lucro.

Lembrando que, para se ter um negócio sustentável no longo prazo e a prova de imprevistos, é sempre ideal de definir um caixa mínimo e definir todas as estratégias de investimentos e despesas em torno dele.

Se interessou sobre esse assunto e acha que ele pode ser muito bem aplicado na sua empresa? Fale conosco e conheça um pouco mais a ITA júnior!